Número total de visualizações de página

terça-feira, 15 de outubro de 2013

12OUT2013 - Sabadal dos extremos.

Mais uma semana inteira passada sem pôr o traseiro no selim...
Bom, a ver se me despacho e apanho quem aparecer na sede para dar a volta sabadal da ordem. Consigo acordar a tempo, aí 7:45, e faço tudo em grande velocidade. Começo a descer a escada do meu prédio antes das 8:25 e quando rumo à garagem, não vendo aparecer o Zé Cadilha, vem-me a ideia de que o vou apanhar a aprontar-se. O homem não estava lá, o que me deixou uma estranha sensação. Despacho-me, saio e aproximo-me da sede sem avistar bikers nas redondezas. Bom, não acredito que já ali tenham estado e penso que vou ter de me arranjar sózinho, "eles não vêm". Mas ponho-me às voltas na praceta, a dar tempo à chegada de algum atrasado. E aparece o benjamim Luis, equipado a preceito e cavalgando a sua Canyon. Boa! Já há Montibikers! E o céu, enfarruscado mas calminho, convida mesmo à passeata.
Conferenciamos sobre hipóteses de vir mais alguém e eu faço um SMS ao Zé Cadilha só para ver o que ele diz. Nada diz e, conclusão, vamos pedalar os dois. O Luis insiste comigo para eu escolher e acabo por apontar para umas encostas "desconhecidas" na zona da antiga Escola dos Marinheiros, junto ao bairro do Paraíso.
Iniciamos o percurso na Qta. do Cochão, entramos com cuidado na EN10 e a caminho de Alhandra só se nota que há muito pouco movimento. Tal como depois se vê no passeio ribeirinho, onde só de longe em longe se passa por alguém. Esperamos que a passagem de nível abra e entramos em Vila Franca para de seguida sairmos, Cevadeiro ao lado, e seguirmos à direita na rotunda dos Marinheiros. O Luis insistia que eu era o guia mas o guia não sabia no que se metia! Foi assim que, após uma hesitação rapidamente resolvida, enfiámos numa breve descida para o Bairro da Mata. Este, arrumadinho e com poucas casas, recentes algumas, só nos apresentou uma hipótese: caminho empinado, a subir não se percebia até onde. E o Luis a dizer "Vá, vamos embora, o guia é que sabe!" Assim iniciámos o nosso calvário esgatanhando no trilho, encosta acima, sem a mínima noção ou esperança de que a subida abrandasse nem estivesse para acabar. O Luis, feito rapaz novo, lá foi pedalando sem esmorecer, enquanto eu, rapaz velho, acabei por desmontar visto que a Ghost não puxava por mim! Subidinha sacana, meus amigos! Acho que não haverá ninguém que a consiga fazer por inteiro sem desmontar. Assunto a ver qualquer dia.
E então chegámos ao Casal da Mata, silencioso, só cães a dar alarme. Lá passámos por dois casaleiros que nos deram o nome do lugar e, mais umas dezenas de metros pedaladas, parámos a apreciar o vale que nos separava duma encosta salpicada de vivendas atraentes e iguaizinhas. Seria Cachoeiras? Não tirámos a limpo mas descansámos um pouco e decidimo-nos por tentar encontrar um trilho que rejeitámos quando da subida para o Casal da Mata. Avançámos e, trocado o alcatrão por um estradão sem problemas, encontrávamo-nos dali a pouco a descer por uns terrenos onde o Luis informou que tinha havido uma prova de motocross, como as fitas de demarcação esvoaçantes confirmavam. Fomos até ao limite do trilho e parámos num ponto alto, de onde se avista a lezíria e o mouchão de Alhandra, e a vista se pode alongar até ao Mar da Palha. Na EN10 podíamos apreciar o movimento na entrada de Vila Franca, a extensão das instalações da Escola dos Marinheiros e até o movimento no passeio ribeirinho, com ciclistas e caminheiros em tamanho reduzido, se distinguia sem dificuldades. Foi como se conquistássemos um pico duma montanha, imaginem lá!
E voltámos para trás tomando de seguida a direcção de Alhandra. Mas perante o início da descida no alcatrão decidimos o contrário, tornar a subir no alcatrão para A-dos-Loucos. Tudo bem. E a seguir? Luis insiste que sou eu quem dita o percurso e apontamos finalmente a S. João dos Montes. Não foi nada má a escolha. Por caminhos ainda não conhecidos, em trilhos junto a vivendas e quintas isoladas, acabámos por deparar com a descida áspera, feita de pedras cimentadas, e empinada para valer! Mãos ferradas nos travões e traseirinho bem recuado, aí vão eles por ali abaixo, com as bikes a estremecer e a adrenalina a subir! No fim soube bem o repouso do estradão saibroso que acompanha a ribeira até S. João dos Montes, onde passámos já em plena descontracção. Acertámos então que, visto eu declarar que me sentia com forças, seguiríamos para Subserra e eu teria de repetir a proeza de subir, sem desmontar, a encosta que nos leva ao alto das pedreiras da Cimpor. Assim foi! E soube bem chegar lá acima e iniciar com descontracção a descida para o Sobralinho, sempre a deslizar! Chegados perto do Estacal (estará bem o nome?) fizemos as nossas despedidas, contentinhos da vida. Ainda só eram 11:30 mas o sabadal estava terminado e tinha valido a pena. Obrigado Luis pela excelente companhia. Vejo que tens muita paciência para esperar por um senior e eu espero aproveitar disso enquanto puder.
Até a um próximo Sabadal, Montibikers ausentes.
PS - Fotos não há, não levávamos máquina. Distância percorrida também não porque eu na chegada verifiquei que o meu computador de bordo já tinha esgotado a pilha. Azar!

Abraikes para todos.
MontiVictor

3 comentários:

  1. Sim senhor, parece que deram bem ao pedal nas subiditas, ganhar forças bem precisas para a Rota da Água pé que se avizinha. O Luís bem quis ser generoso dando a escolha do trilho ao Sénior mas ele encheu bem o peito e mandou-se para as subidas. Ah Valente.

    Abraikes

    ResponderEliminar
  2. MontiVictor, fizeram 25,4km em 2:33:44, se quizerem ver o track, podem ver aqui
    http://www.strava.com/activities/88506584

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado MontiArmando! Está visto! Foi uma voltinha boa, uma petisqueira! Petiscos não faltaram e ainda bem. Agora há que mastigar para fazer lastro à Água-Pé pois clarau!

      Abraikes.

      Eliminar