Número total de visualizações de página

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Passeio na Serra da Freita em Arouca (14-08-2011)


Olá a todos os Montibikers, como devem já ter percebido tenho andado a faltar à comunicação com os meus comparsas de grupo mas vou-lhes presentear com esta crónica sobre o meu passeio por terras do Norte.
Tudo começou com a ideia de conhecer a região de Arouca, pois tinha recebido através de uma conversa com um cliente da minha firma a informação de ser um excelente local para visitar (eu quando penso nestas coisas vem-me logo à cabeça a gastronomia e não os passeios. Estou a brincar.).
Pus-me a investigar na net, o turismo da região (dormida, restaurantes e locais importantes para visitar), passeios que se pudessem fazer a pé (sim que eu iria levar a família comigo, que não são muito adeptas do BTT) e só por curiosidade algum grupo de BTT nas imediações, até porque não ia com intenção de levar a bike. Mas a minha mulher logo mudou a situação quando me perguntou porque é que eu não levava a bike, e eu responder que não. Porque eu queria que fosse um fim de semana para passarmos juntos e não só para mim.
Ela não concordou com isso e ainda me disse que eu podia fazer um passeio de manhã num dos três dias enquanto elas visitavam o local perto onde fosse o passeio.
Contactei via mail com http://bttarouca.blogspot.com/ e http://www.aroucabttteam.com/, que me responderam, mas foi com o Camisão do BTTArouca que combinei melhor e ainda por cima com a surpresa de estar também a combinar com outro BTTista de Alverca que iria estar de passagem por Arouca na mesma altura. Deixei o meu nº de telemóvel com o Camisão para futuro contacto, entretanto recebi um telefonema na Sexta Feira a meio da manhã e qual não foi o meu espanto do outro lado da linha era o outro BTTista de Alverca, o Hugo Noronha. Ele queria saber se podia combinar encontrar-se comigo à entrada de Arouca na manhã seguinte para depois ir ao encontro de alguém do BTTArouca, no local que já tinham combinado com ele. Eu disse-lhe que sim porque iria para cima ainda nesse mesmo dia.
Como fiquei hospedado em São João da Madeira (fica a 30 Kms de Arouca) levantei-me cedinho mais as raparigas e lá seguimos para Arouca no carro com ajuda do GPS, pois tinha de estar às 9 horas junto do amigo Noronha. A aventura começou durante o caminho onde a meio do percurso o GPS mandou-me para uma estrada secundária à nacional para cortar caminho o problema é que essa estrada depois de seguir nela durante 10 minutos cheguei ao ponto em que estava cortada ao público, logo tive de voltar para trás e atrasar-me em relação à hora marcada. Estive quase a mandar o GPS borda fora.
Consegui chegar 6 minutos atrasado mas fiquei contente quando verifiquei que o Noronha estava à minha espera. Começámos as apresentações e ele entretanto comentou que conhecia o MontiVictor num passeio que fez com ele para os lados do Sobralinho, depois fomos até a um parque de estacionamento gratuito que ele conhecia, então percebi que ele já tinha algum conhecimento da zona em questão. Claro, depois de dois dedos de conversa ele transmitiu-me que era de Alvarenga, outra terra perto de Arouca, mas que vivia neste momento em Lisboa onde é polícia em Alverca.
Depois de estarmos com as bikes desmontadas dos carros, fomos então ao café do ponto de encontro dos BTTArouca. Chegámos à hora marcada (9H30) e quando já estávamos a desmontar das bikes eis que surge o único biker que nos iria mostrar o trajecto. Era o Davide Rocha um biker do grupo AroucaBTTeam, aí percebi que os dois grupos devem-se juntar para fazer uns passeios.
Começaram logo as apresentações e fiquei informado pelo Davide acerca do resto da malta, em que uns tinham ido a Santiago de Compostela e outros como tinham ido a um ride nocturno não estavam em condições de aparecerem, já não se pode falar do nosso amigo Davide que fez o favor de comparecer mesmo tendo participado no ride também (muito obrigado pelo esforço de estar presente). Tomámos um café cada um (em que eu tive todo gosto em pagar), para logo de seguida pôr-mo-nos a caminho. Perto do café ainda parámos na loja onde o Camisão trabalha para nos conhecermos, ele já estava à porta à espera de nós, após poucos minutos de conversa lá seguimos para a Serra da Freita, local para grandes subidas e grandes descidas. Durante o trajecto fomos nos conhecendo melhor e também conhecendo o sítio em causa através do nosso guia Davide.
Quando em conversa com o Noronha, eu disse que o meu irmão era polícia e que estava a trabalhar na esquadra de São João da Talha. Ele perguntou qual era o seu nome e quando eu lhe disse, ele riu-se e disse que o conhecia da esquadra da Expo e que era paciente da mãe dele. Aí comecei a entender como o mundo é pequeno.
O trajecto em si, foi puxado ao início nos primeiros 13 Kms (pudera, foi sempre a subir) e mais intenso que o nossos 13 Kms do passeio do Alvercabike. Mas o esforço valeu a pena porque quando chegámos quase ao cimo tínhamos uma paisagem em redor de cortar a respiração. Não fomos mesmo ao topo porque o Davide disse que assim não chegávamos à hora prevista (portanto Montivictor desculpe pela informação incorrecta da elevação ser de perto de 1200 metros, mas sim 1100, nós ficámos pelos 900), mas já foi bastante impressionante.
Fizemos as fotografias da praxe, para logo de seguida iniciarmos uma descida fenomenal, onde ainda deu tempo para eu ter um furo. O Davide prontificou-se logo para resolver a situação e quando dou por mim ele parecia os mecânicos das box's da Ferrari a mudar pneus. Nunca tinha mudado um pneu tão depressa, ele com essa prática, algo me diz que já teve bastantes furos para estar com a técnica bastante desenvolvida hehehehe.
Continuámos sempre a descer até ao local onde os carros estavam estacionados, para depois acabarmos com dois dedos de conversa, em que o Noronha fez o convite para os Montibikers quando quiserem visitar a região em grupo, seria disponibilizada dormida em casa dos pais dele em Alvarenga. Ora aí está uma excelente ideia para uma futura incursão dos Montibikers nesta região cheia de verdadeiros sabores.
Quero deixar aqui um grande agradecimento pela companhia do Davide e do Noronha.
Um Abraike a todos.

2 comentários:

  1. Excelente acontecimento, este da Serra da Freita! Desde as facilidades que a informática nos proporciona até ao espírito de colaboração, imediatamente disponível, que se observa nesta santa terrinha de Portugal, foi um acumular de comunicação, gentileza, companheirismo e espírito BTTista como ainda não tinha tido ocasião de constatar! Finalmente uma coisa agradável, um relato estimulante e positivo nos tempos que correm, muito pessimistas. Tinha que vir do desporto, não é mesmo? Abençoado seja!
    Mas isto aqui não é a pesca, amigo Nando! Nada de repetir a ousadia de acrescentar, ilegitimamente, à altitude que subiu aquela que imaginou!!! O pessoal fica de boca aberta, é verdade, mas os 900 m já chegam para isso, não é preciso inventar mais! Fica desculpado por esta vez. Estava em acreditar que foi um problema de conversão de pés em metros. Mas não interessa, já lá vai, o homem até pediu desculpa, p'ra quê bater no ceguinho?
    A ver mas é se começamos a concretizar algumas das maluquices que queremos fazer e incluimos um lugar futuro para a Serra da Freita. O Noronha há-de querer estar connosco nessa vez.
    Abraikes para todos, incluindo o David (estará mal sem o e final?).
    Do anónimo Victor.

    ResponderEliminar
  2. Muito bem MontiNando!

    Fizeste uma coisa ao calhas e calhou bem...
    Gosto desse espírito empreendedor a partir de pequenas conversas com amigos, mas que depois se vai matutar com os lençóis e mais tarde se desenvolve com a ajuda da NET, de uma estrelinha e de muita vontade em concretizar.
    Tens uma proposta a apresentar em Assembleia, de uma visita por essas bandas, pois da minha parte receberás todos os elogios quando a apresentares… força Nando…venha o trak trak por essas serras acima…eh eh
    Pelo gráfico verifico que a primeira parte foi durinha, pois foi sempre a subir, mas a segunda já foi um descanso, porém não percebi se fizeste por alcatrone ou á maneira MontiBiker (misto ou só trilho). Estou a perguntar em relação á subida, pois vejo bem pelas fotos que apanhaste uns belos trilhos…
    Penso também que o nosso sénior foi um pouco injusto contigo, pois aquela da “pesca” foi durinha eh eh… Sabes, ele não teve em consideração a variante da falta de oxigénio no sangue a altitudes elevadas… e esses 900 metros para aquilo a que estamos habituados já é demais… eh eh … logo teria de dar um descontinho na diferença de altitude inicialmente por ti comunicada… eh eh…
    Ah! Já me esquecia… essa dos 6 minutos atrasado…foi um grande feito teu…por vezes aqui tão pertinho não consegues tamanha façanha… eh eh… (estou a brincar contigo)..iol iol…
    Outra coisa que também me ia esquecendo… foi o facto (de como já tinha manifestado num e-mail anterior)…teres realizado esta pequena aventura com paz e amor no seio familiar, em que todos participaram com a sua alegria e boa disposição…
    Vá.. agora não te queixes...já tens dois comentários.... mais deverão aparecer.....
    Abraikes

    ResponderEliminar