Número total de visualizações de página

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Passeio Casais do Forno-Lousa 17-02-2013


Olá amantes do BTT,
Hoje fomos para os lados de Loures, mais precisamente Casais do Forno, onde o grupo local elaborou o seu primeiro passeio de BTT.
De manhã, quando estava a preparar-me para sair de casa, recebo um telefonema do MontiLuis, a perguntar-me se eu estava com mesmo com ideias de ir ao passeio com a chuva que estava a cair. Eu disse que sim pois já estava equipado para isso, ele entretanto disse que não estava muito interessado em ir e que ia ligar ao MontiCadilha para saber se iam também ao passeio.
Esperei um pouco e o MontiCadilha ligou-me a dizer que também não ia, mas que o MontiArmando já estava pronto para acompanhar quem fosse. Também mais uma das desistências foi o MontiVictor (o nosso sénior), que não se sentia em condições para efectuar tamanha façanha.
Após todas estas informações decidi ir buscar o MontiLuis, como tinha combinado com ele, já que queria ir nem que fosse para o almoço da praxe. Com o GPS apontado para casa dele lá me meti a caminho, dei com a rua mas não com a porta (bem ele tinha avisado). Como já estavam cães a fazer barulho perto da casa dele, derivado às minhas manobras para encontrar a porta, ele saiu de casa já com a ideia que eu estaria por perto.
A seguir fomos ao ponto de encontro na torre do meio, onde nos esperava o MontiCadilha e o MontiArmando, após cumprimentos pusemos a bike do MontiArmando em cima do meu carro e lá nos pusemos a caminho de Casais do Forno. Só ainda não sabíamos era se o MontiCarlos estaria ele também presente para o passeio, como não tinha telefonado concluímos que ele iria.
À chegada ao local e quando estávamos à procura de lugar, surge o MontiCarlos em cima da sua bike a passar por nós. Apitei-lhe, pois ele não conhecia o meu carro. Ele voltou para trás e indicou-nos o local onde ele tinha o dele, e disse que puséssemos o nosso à frente do dele, enquanto ele ia levantar os nossos dorsais.
Preparados e prontos para começar-mos o passeio lá fomos para o ponto de partida. Como era cedo para o inicio da prova e estava a chover, fomos para dentro do edifício da associação. Eu como já tinha o GPS ligado fui à procura do track dos 25 Kms e não o encontrei, o MontiCarlos ao saber disso, disse-me que no balcão onde estava o secretariado eles tinham um computador e que facultavam os track's a quem quisesse e que não tinham feito o download em casa. Eu fiz, mas constatei que tinha posto num menu do GPS mal, ao qual o rapaz do secretariado deu conta e me mostrou no ecrã.
Já faltavam poucos minutos para o início e fomos para o local de partida para nos prepararmos.
Após discurso normal de início de prova, lá deram a partida e começámos a pedalar. Os primeiros metros foram de um empeno bem grande e logo ali houve uma separação grande de pessoal, é claro que os mais fortes começaram a dar-lhe com alma e desapareceram um deles era o nosso MontiArmando que estava cheio de pica desde que saiu do prédio do meio.
Ainda esperou pelo MontiCarlos, pois estavam a planear fazer mesmo os 45 Kms, mas ele logo ficou para trás e decidiu fazer comigo os 25 Kms.
Quando entrámos no trilho, eu vi logo que o resto do caminho iria ser penoso com o terreno muito lamacento e pesado para pedalar, e tinha razão, pois após alguns Kms a subir e descer, algumas vezes tinha de ser com as bikes à mão e por vezes ainda escorreguei e caí em algumas das descidas mais perigosas ao tentar andar na lama.
Eu só me lembrava do MontiArmando e o que ele ia sofrer com tantos Kms de trilho nestas condições. Uma coisa lhes digo, os trilhos estavam bem assinalados ao ponto de ser difícil enganar no caminho, um ponto favorável para a organização.
Mais ou menos ao Km 14 houve um abastecimento onde havia comida e bebida suficiente para quem precisasse de repor as energias.
Depois de penosos 23 Kms lá chegámos ao final do passeio e fomos lavar as bikes, no local já se encontrava muitos Bttistas na fila para o mesmo propósito. Aqui um ponto desfavorável à organização, pois tinham só uma mangueira, sem ser de alta pressão e assim tínhamos de estar bastante tempo à espera para a lavagem, com esta situação ficávamos com frio, que para nosso mal ainda tínhamos também a companhia da chuva um bom coktail para uma gripe.
Após esta situação estar feita fomos arrumar as coisas e trazer as mochilas, para irmos tomar um duche numas instalações improvisadas com um contentor. Não estava à espera deste tipo de situação e foi a primeira vez que a vi num passeio organizado de BTT. Ao menos a pouca água que corria era quente, aqui também dou um ponto desfavorável à organização.
Depois do banho tomado fomos tratar do almoço enquanto esperávamos pelo bravo MontiArmando.
O almoço estava bom: com uma boa sopa; queijos frescos; carne de porco com salada, arroz e batata frita; vinho, sumos e água e de sobremesa pêra encharcada, arroz doce e gelatina. Aqui a organização esteve bem e assim dou um ponto favorável.
Entretanto chegou o MontiArmando, foi lavar a bike, tomar banho e ir fazer-nos companhia no almoço.
Ainda deu para falarmos sobre o que tinha acontecido durante o passeio e outras coisas mais. Uma delas foi que tinha havido quem fizesse corta-mato dos que iam à frente do MontiArmando de forma a que ele tivesse a impressão que poderia ter ficado em terceiro lugar e merecesse um troféu.
Chegada a hora de partir, despedi-mo-nos do MontiCarlos que estava perto de casa e fomos pôr o MontiLuis a casa dele. Aí despedi-mo-nos dele e fui levar o MontiArmando ao prédio do meio, pois ele tinha deixado lá a sua viatura. Em frente ao prédio do meio quando chegámos, telefonei ao MontiCadilha para ele ir ter connosco para ser-lhe entregue o saco dos brindes do passeio e do MontiVictor.
Depois fui eu para casa e terminando mais uma saga dos Montibikers.
Só vou dar o benefício da dúvida a esta organização pelo facto de ser a primeira vez que fazem um evento destes, mas não devia de haver desculpas, pois o nº de inscritos já era de 200 pessoas, portanto deviam de ter isso mais em conta.
E com esta crónica me despeço e até a uma próxima aventura dos grandes Montibikers
Abraikes a todos
Mapa e track
clica e vais para o GPSIES

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Um sabadal com muita subida e.... um "beija-flor"


Eram 21:00h de sexta feira e na sede dos MontiBikers festejava-se o 3º aniversário da sua fundação, apenas 3 ausências justificadas e a animação habitual no seio MontiBiker.
Após tomar-se o café delineou-se a estratégia para o sabadal, seis MontiBikers garantiram presença.
Cumprido. Às 8:35 os seis Montis apresentavam-se, Carlos, Luis, Armando, Nando, Cadilha e o nosso sénior Victor, queapós ausência forçada, uma gripe, malvada sem coração, nem uns treininhos lhe lhe foi permitido fazer.
Sem mais demoras e depois de um cafézinho o grupo partiu, o trajecto e destino previamente traçado iria ter como primeiro objectivo o single track dos placards, mesmo paralelo à auto estrada, com Vialonga no horizonte.
Primeiros quilómetros percorridos na estrada Nacional 10 até ao Forte da Casa com uma subidita ainda em alcatrão até à entrada no primeiro trilho.
E para começar logo uma subida bem puchadita que iria causar um primeiro “estrago”.
MontiVictor ainda não totalmente recomposto da sua gripe e com um mês sem pedalanço, tomava a decisão de não acompanhar o grupo, iria rolar em planície.
Continuamos a subir até atingirmos o marco geodésico, onde se inicia a descida do single track dos placards.
Passagem pelo viaduto fantasma da Póvoa e nova subida por trilho até à Quinta da Piedade. Mais “alcatroni” e em frente ao cemitério entrada novamente em trilho e mais uma subidita.
Depois das Bragadas e de mais algumas subidas chegariamos à mata, mesmo por cima de Alpriate onde uma grande descida nos esperava. Seguiriamos pelo Quintanilho para entrarmos na Mata do Paraíso, com subida até ao ribeiro, onde se faria uma pequena paragem para abastecimento e foto de grupo.
Fotos

A grande subida até ao marco geodésico do Zambujal seria a nossa próxima tarefa. É uma subida longa mas compensadora. Não só pela vista que nos é proporcionada mas principalmente pela descida que se segue.
Entramos na descida com o MontiNando tomando a dianteira logo seguido de MontiLuis. MontiCarlos não os perdeu de vista, já o mesmo não direi de mim e do MontiArmando que rápidamente ficamos para trás. Mas não por muito tempo. Uma centena de metros  e paragem forçada, MontiNando deu uma queda aparatosa mas felizmente sem gravidade. Já se encontrava de pé e a sacudir o equipamento. Queda aparentemente provocada por um furo na roda traseira. Mudança de câmara de ar efectuada e vamos embora que se faz tarde. Ou melhor fazia, porque MontiCarlos deu o alerta, o pneu estava novamente em baixo. Nova mudança mas desta vez o elemento que provocou os furos foi eliminado. Um arame de pequenas dimensões mas mau como as cobras. O itenerário préviamente elaborado ficou assim desfeito, com esta paragem tinhamos perdido seguramentemais de meia hora o que fez com que o regresso a Alverca fosse antecipado.
Continuamos a descida com os três audazes elementos a tomarem a dianteira e a desaparecerem rápidamente no horizonte.
Numa curva que antecede uma parte da descida mais ingreme os três estavam novamente parados. MontiNando tinha derrapado numa pedra e nova queda, mas rápidamente se tinha levantado e retomava a descida. A câmara GoPro com estes velocistas só tem hipótese de apanhar os levantamentos porque as quedas, os beija-flores, nicles.
De MontiArmando não havia rasto, à frente não ía de certeza e olhando para trás, nada. Resolvi  voltar para trás ver o que se passava enquanto MontiCarlos continuou a descer avisando os da frente para aguardarem no final da descida.
Lá estava MontiArmando no meio de uma descida calmamente falando ao telemóvel. Este elemento de alta tecnologia, bastante útil para os bttistas, por vezes pregam-nos estas partidas.
Depois de reagrupados no final da descida tomou-se então a decisão definitiva de regressarmos a Alverca.
Por alcatrone, seguiriamos por Bucelas, Vila de Rei, Cabeço da Rosa, Casal das Areias e Alverca.
Chegada por volta do meio dia com aproximadamente 34 km percorridos.
No próximo Domingo estes mesmos Montis estarão presentes no 1º Passeio BTT de Casais do Forno em Lousa, para pedalar os 45km de sobe e desce e depois da banhoca a degustação habitual.
A montagem do filme está um pouco atrasada mas aqui fica o registo fotográfico realizado pelo MontiNando assim como o track.
Abraikes
MontiCadilha  
oTrack

O Filme



domingo, 3 de fevereiro de 2013

Uma visita ao "Paraíso"


Houve quem tivesse medo da chuva e ficou na caminha, mas três Montis acreditaram no homem da metereologia e fizeram-se aos trilhos por volta das 8:45.
MontiCarlos gostou da experiência do último sabadal e hoje não faltou,  MontiTiago após um breve interregno marcou presença a pensar já na preparação para mais uma aventura até Santiago de Compostela lá para Maio.
Após um breve briefing decidimos fazer uma visita ao “Paraíso”, local ainda desconhecido do nosso  benjamim, MontiCarlos.
Os terrenos encontravam-se nalgumas partes um tanto ou quanto alagados, mas com um pouco de esforço foram ultrapassados.
MontiCarlos trazia desta vez a sua mais recente aquisição, uma Spezialize roda 29. Claro está que por vezes o homem desaparecia.
Chegamos ao “Paraíso” com um Sol primaveril. O ribeiro corria forte e com um caudal apreciável e nós deliciados com tão belo cenário.
Mas o tempo passa e após algumas fotos retomamos o nosso pedalanço agora rumo ao Zambujal. Após um pequeno reabastecimento de liquidos no fontanário do Zambujal apontamos as bikes à quinta da Boiça.
No portão da quinta juntou-se aos MontiBikers um solitário, homem das biclas mas que hoje optara por pedalar numa bike.
Depois de atravessarmos a quinta e com a ideia de regressarmos pelo trilho do Trancão, fomos aconselhados pelo nosso amigo solitário a não o fazer porque o trilho estava em péssimo estado. Assim optamos por voltar para trás tomando um outro trajecto.
Optamos pelo trilho de Frielas, retomando os caminhos de Fátima, passando pela Granja e Alpriate apanhando a variante de Vialonga até ao Cabo de Vialonga, passagem pela Sagres e finalmente paragem no Elefante Azul para lavagem das Bikes.
Para além das Bikes o MontiTiago também foi a banhos. Despedidas feitas e os três heróis regressaram a casa.
Eram 12:45h quando cheguei à garagem da torre do meio com o contaquilómetros a marcar 49,10km, nada mau, um ligeiro cansaço, algum frio mas feliz por mais um passeio na companhia dos meus amigos MontiBikers.
Abraikes
Fotos

Filme


sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013