Número total de visualizações de página

domingo, 28 de setembro de 2014

7º Passeio BTT de Lourel

O Track

O Filme


Caros Amigos,
Mais uma participação MontiBiker, desta vez no 7º Passeio BTT de Lourel, foi um quinteto de alta qualidade.
O tempo esteve magnífico para a prática da nossa bem amada modalidade. Os trilhos estavam excelentes atendendo à chuvada do dia anterior. A sinalética nalguns pontos estava um pouco deficitária já o mesmo não diremos dos cruzamentos com o alcatrão, 5 estrelas, sempre homens da GNR a controlarem os acontecimentos, FANTÁSTICO.
Os abastecimentos q.b. e o almoço estava excelente, prova disso as repetições de grelhada que os Montis efectuaram, oh yeah!
MontiLuís e MontiTiago lançaram-se aos trilhos que nem gazelas assim que a partida foi dada, ou não fossem eles os nossos MontiJovens com muito “sangue na guelra”.
Já MontiEmídio por causa do joelhinho maroto, MontiNando devido à sua barriguinha milagrossa e eu para lhes dar ânimo, partimos na cauda do pelotão marcando o chamado andamento “ de trás para a frente”.
Fomos galgando pedrinhas e pedregulhos, poças e pocinhas e ultrapassando alguns desesperados companheiros que, não tendo esfregado as pernocas com as cascas das bananas íam tendo cãimbras com a falta de potássio.
Assim foi mais um passeio onde não nos deixaram ser os últimos, 32 bons rapazes resolveram chegar depois de nós.
Muitos parabéns aos nossos Amigos do Lourel por nos terem proporcionado este belo dia de BTT, assim como aos Amigos BTTretas e BikeSintra, um Grande Bem Hajam-
Até à próxima, penso que será na Rota da Água pé do AlvercaBIKE-

MontiCadilha

Finalmente as fotos de MontiEmidio

domingo, 14 de setembro de 2014

Um passeio em Lisboa 14-09-2014


Um Passeio em Lisboa

Olá Montis,
Hoje levantei-me cedo e fui dar uma volta por Lisboa, o tempo estava espectacular para uma volta sem calor e sem stress.
Peguei na bicicleta, pus em cima do carro e lá fui eu até à Expo. Estacionei o carro num bom lugar, pois cheguei por volta das 8h00 e ainda não se via ninguém nas ruas (que maravilha).
Após todo o equipamento pronto, rumei até ao princípio da ciclovia, que não é propriamente na Expo mas sim nos Olivais, passei pelo belo Vale do Silêncio, fui pelo princípio da feira do relógio, chelas e rotunda do relógio, a seguir continuei pela Av. do Brasil até ao Hospital Julio de Matos, aí há uma via para ir para a Alta de Lisboa, conturnando o muro do Hospital, que tem uns graffitis muito bonitos para serem contemplados.
Quando cheguei ao inicio da subida para a Alta de Lisboa a ciclovia acabava ali, e tinha um sinal de proibição para a circulação de bicicletas, vai daí voltei novamente para a Av. do Brasil e rumar ao Campo grande. De seguida passei pelas traseiras da Torre do Tombo, por dentro do campo da Universidade até ao viaduto que faz a passagem para Telheiras. Passei por Carnide e segui por Benfica até à entrada de Monsanto, depois segui paralelo à Radial de Benfica até Sete Rios. Subi um parque que dá ao pé do Estabelecimento Prisional de Lisboa, nesse parque ainda parei no quiosque que se encontrava ali, para um merecido café, continuei até alcançar por fim o cimo do Parque Eduardo VII. Tem uma vista para a cidade e o rio deslumbrante, hoje a bandeira Portuguesa não estava hasteada (como já tinhamos uma vez tirado uma foto com um Nautibiker).
Desci até à Av. da Liberdade, onde encontrei uma feirinha de vários produtos que eu já conheço e ainda deu para ficar com o contacto de um vendedor que tinha uns discos que eu ando à procura. Continuei a descer pela a Avenida até aos Restauradores, onde virei para as Porta de Santo Antão e ir beber uma merecida Ginjinha, segui pelo Rossio até à Rua Augusta, onde deparei no final dela com uma criação artistica na fachada do Museu do Designe e da Moda, eram simplesmente pranchas de Surf penduradas. Queria ter filmado mas a câmara mais uma vez ficou sem bateria.
Dei uma volta pelas arcadas da Praça do Comércio e depois comecei o regresso até à Expo pela zona ribeirinha, nisto cheguei ao carro por volta das 11h30. Foi um passeio agradável e de repetir de certeza novamente mas com outros contornos (nocturno).
Espero que tenham gostado deste relato, até ao próximo passeio
Abraikes a todos

Aqui fica o vídeo

https://www.youtube.com/watch?v=3G0tlcTcDNg&feature=youtu.be

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Dominical de 31 Agosto de 2014


O Track

Após as férias, os Montis regressaram em grande aos sabadais, bom neste caso foi um dominical.
Saída pelas 8:15 e depois de um final atribulado chegada a Alverca às 12:30h.
Quatro MontiBikers marcaram presença neste regresso ao pedalanço, Nando, Luís, Nuno e Cadilha. Foram 44km com muitas subidas e algumas que subidas!!!
Para um aquecimento nada melhor que os caminhos pelo Parque Linear, eem andamento de “cavaqueira”. Depois de feita a rotunda dos caniços passamos por cima do “viaduto fantasma” e lançamo-nos na subida pelo trilho até à Quinta da Piedade. Subida pela estrada das Bragadas para o trilho que nos levaria à grande descida de Alpriate.
Nesta descida que se faz por entre um pinhal tivemos um pequeno tralho, melhor dizendo um doce Beija-Flôr.
MontiNando calculando mal a travessia de uma vala, tarúz,... malhou. Felizmente foi mesmo só malhanço, com uma pequena esfoladela no braço.
Seguimos pelo Quintanilho até à Mata do Paraíso e depois descemos ao Zambujal para nos “atirarmos” com grande animação à Quinta do Boição.
Depois de subirmos a A do Mourão as bikes rolaram pelo “alcatroni” até ao Cabeço da Rosa.
Tinhamos decidido descer pelo singletrack do downhill, MontiNando não nos acompanharia por compromissos já assumidos e o horário estava mesmo a apertar.
Este trilho está bastante perigoso, com muita pedra e valas em pontos manhosos, para além de o mato ter invadido o “single” com silvas e cardos. Chegados à pedreira tomamos a segunda parte da descida mas estava intransitável, voltamos para trás e optamos por descer pela pedreira.
Descemos mas não havia saída. Subir, fora de questão. Reunião de emergência para encontrar alternativas. Não havia muitas, era seguir em frente desbravando mato mas a pé. E lá fomos que nem Vascos da Gama por aquele mato fora. Silvas, cardos, pedras e mais silvas e mais cardos e mais pedras. Descer e subir, quantas vezes o fizemos não interessa.
Mas chegamos a bom porto depois de uma grande subida com a bike às costas.
No cimo estavamos com a central de cervejas à vista, era só descer e Alverca mesmo à mão de semear.
MontiNando livráste-te de boa, mas perdeste uma aventura do caraças.
Para a semana três Montis vão ao passeio de Óbidos, Luís, Nuno e Rui, façam uma Boa Viagem e tenham um Dia Em Cheio. Quanto aos que ficam vamos apontar para um Sabadal de preparação para a nossa participação no passeio dos nossos amigos de Lourel.


Abraikes 
Foto de grupo

O Filme